Skip to content

A Manicure da Vez era Outra

8 de março de 2012

Os sorrisos conhecidos nas horas marcadas por anos escondiam as paredes brancas contornando o espaço em um tempo de  assepsia pura. Mas a manicure dessa vez era outra.

A incomunicabilidade é um fato nos pequenos salões onde mulheres tocam as mãos umas das outras. Umas cuidam, outras se deixam cuidar. A confiança descostura o desconhecido, abre suas vísceras de boneco empalhado até o advento da palavra como uma criança recém parida sustentada na generosidade alheia. O trabalho da atenção e do cuidado quase não é um trabalho.

Eu sentei diante da Graça. Seu rosto auto-evidente lembrava algo familiar e estranho. Olhos de animal fugido, as densas e veludosas bolas esverdeadas e firmes ameaçavam cair sobre mim. Escondida nas pálpebras estava a novidade de um terceiro dia no novo trabalho.

 Era a primeira vez, talvez a última em que ela arrumaria minhas mãos como aconteceu com tantas outras mulheres que fazem este trabalho. Talvez eu não soubesse o que dizer além de perguntar “você é nova aqui?” e ela não pudesse mais que consolar a minha pressa: “pelo menos quando você tem certeza da cor do esmalte já tem futuro.”

 – Os meus filhos cresceram eu eu resolvi trabalhar.

– É mesmo? Mas e antes, quem pagava as suas contas? Você tem marido?

Não. Ela respondeu quase evitando ser pega de surpresa. – Ninguém acredita lá onde eu moro que eu mudei do dia para a noite. Agora que eles me veem chegando tarde… ninguém acredita.

– Não precisa lixar muito não, dá só um jeitinho, faz favor.

– Você escapa do alicate, mas da massagem não. Dá a mão aqui.

 Enquanto ela cuidava delicadamente do contorno das minhas unhas, eu atendia o telefone com a mão que sobrava, revezando com a xícara de café, contava as quinhentas coisas feitas e por fazer evitando o vazio que se estabelece nessas conversas sem propósito que não o de ocupar um lugar no tempo-espaço de um momento em que se está longe da própria experiência. Enquanto eu pensava no fato estranho de que nós duas estávamos debruçadas sobre algo que sempre me pareceu insignificante, lembrei do lado angustiado da vida emaranhado nessas horas de pressa, nesses momentos sem razão. Então ela cortou meu pensamento com uma tesoura fina.

 – Passei 10 anos em casa depois de um acidente, quase dois no hospital. Só sair de casa tem sido uma revolução para mim.

– Nossa, mas você ficou com sequelas?

– Fiquei. Eu manco de uma perna. Ela respondeu devolvendo a confiança com juros infinitos. 

– Eu só vejo os seus olhos cheios de vida. Eu não via outra coisa.

– Eu sou diferente hoje porque eu saí de casa e trabalho aqui e já sei como posso fazer a sua unha do jeito que você gosta. É muito bom fazer uma coisa que deixa alguém feliz. E você deve ser muito feliz porque até no seu jeito de falar a gente vê que você é feliz. Deve ser muito bom fazer o que você faz.

Contei a ela que eu sou professora. Mas não continuei. Queria fotografar pra mim  aquele rosto extasiado, cheio de bondade com a insignificância da cor do meu esmalte, cuidando de não me ferir.

 Hoje é dia das mulheres. Tem quem ache esse dia uma bobagem. Só quem não tem senso histórico ou não descobriu que a vida é feita de símbolos, fantasias, imaginação é que não compreende o alcance desse dia político demais e que tantos tentam tornar meramente econômico. Hoje a Graça foi uma parte dos pequenos e delicados afetos que tornam a vida aviltada e danificada de nossos dias em algo mais fácil de suportar.

Não sei o que aconteceu com ela, mas parecia a magia da felicidade superando a inação do medo. A Graça deu-me de presente a sensação de que o nonsense da vida não era tão interessante quanto a mínima chance de vivê-la. Certa de que a vida desta vez é outra, eu agradeço à delicadeza da Graça.

Nesse dia de todas as mulheres do mundo, eu seguro a sua mão com todo o silêncio que nos une.

21 Comentários leave one →
  1. 8 de março de 2012 4:45 am

    Que percepção mais linda, delicada e cuidadosa de tudo isso! Adorei.

  2. Fabio T. permalink
    8 de março de 2012 11:34 am

    Márcia, parabéns pelo D.I.da M. e pelo seu lindo texto.
    Simples, mas com significado e sentimentos. Pequenos detalhes, palavras suaves e fortes.
    Eu trabalho em uma empresa japonesa, e eles não vão lembrar das mulheres hoje.
    Uma pena, porque no Bom dia de hoje, vi nos olhos de cada uma pelo menos o cumprimento cordial da lembrança de que elas existem.
    Vou partilhar com elas seu texto. Parabéns novamente.
    (Segunda-feira estarei no curso novamente)

  3. 8 de março de 2012 11:48 am

    Lindo! Poético e profundo! Beijo!

  4. 8 de março de 2012 12:33 pm

    Encontro bacana, dessas surpresas que encontramos pelo caminho.

  5. Luiz Zahar permalink
    8 de março de 2012 12:47 pm

    Muito lindo. Parabéns pela linda crônica e por este dia.
    Luiz
    Twitter: @alzahar

  6. 8 de março de 2012 3:46 pm

    Que lindo! Deu até sentido prá essa comemoração tão besta…

  7. gabriela permalink
    8 de março de 2012 4:57 pm

    sua delicadeza é um presente. feliz dia de hoje pra vc tb!

  8. 9 de março de 2012 12:08 am

    ‘Pequenos e delicados afetos’
    Rápidos e de um poder devastador para quem ainda os percebem…
    Bela graça!

  9. Vera Luduvice permalink
    9 de março de 2012 1:00 am

    …eu agradeço a delicadeza da “Márcia”.

  10. 9 de março de 2012 2:14 am

    Parabéns, Márcia! Lindo texto, delicadíssimo! Obrigado por compartilhar com a gente…

  11. Breno permalink
    9 de março de 2012 1:10 pm

    Márcia, parabéns pelo blogue. assisti a um mesa-redonda sua sobre descriminalização do aborto. vc detonou.
    feliz por descobir seus textos.

    abraços,
    breno.

  12. Cygarcia permalink
    9 de março de 2012 3:09 pm

    Marcia: afeto lindo paira acima das palavras.

    Afeto que une, cria, revoluciona, muda na mudez de mulheres sem palavras.

    Parabéns pela deliciosa massagem nas mãos.

  13. Liliane permalink
    10 de março de 2012 1:38 am

    É maravilhoso esbarrar com seus textos sem hora marcada.
    Melhor ainda é descobrir você no espelho, quando só o que eu via era minha boca cheia de pasta de dente.

  14. 11 de março de 2012 8:25 pm

    é tão linda [re]fazendo as coisas mais corriqueiras – uma visita a um salão de manicure – tão menos prosaicas e mais poéticas…
    “oteuolharmelhoraomeu”!

    =*

  15. 11 de março de 2012 9:43 pm

    Ela se revelou. Abriu-se como uma flor que muito esperou para desabrochar. Ela precisava contar de seu desabrochar. A testemunha sempre avaliza o fato. Você não a desvendou em nada mais que o que lhe saltava. Eu sei mulher. É disso. É disso que a vida é feita. E você está me assustando. Não é todo dia que leio alguém que escreve tanta vida. Não sou de ficar emocionado com a descrição de uma cena cotidiana banal – somente quando a pessoa que narra desconhece o termo banalidade. Um beijo suave em suas mãos pintadas de vermelho/cinza/preto..! E obrigado por mostrar que devo ficar mais atento aos movimentos em meu redor. Vivamos as mulheres! Vivamos!

  16. luis henrique permalink
    12 de março de 2012 3:52 pm

    então ser inteligente é isso, saber que se esta aproveitando um momento de felicidade?

    • 13 de março de 2012 12:28 pm

      É A OPINIÃO DA GRAÇA.TALVEZ POR NÃO POSSUIR UMA CATEGORIA MAIS SOFISTICADA, ELA USA ESSA.

      • luis henrique permalink
        23 de março de 2012 5:36 pm

        Fazer uma pergunta com poucas palavras só pode dar nisso, bem… Se você sabe, que mesmo em um pequeno momento: trivial ou cotidiano, se vive um momento feliz, seria nos possível melhor aproveitá lo. Como em uma recordação feliz aonde nos sabemos que seria melhor telo aproveitado mais, mais já não é possível.
        Inteligencia no sentido do saber aproveitar o momento que se esta vivendo. As vezes, por não estar com amigos ou com aquela pessoa que deveria ser a pessoa que nos proporcionaria esse momento especial, agente deixe passar.

  17. neusa serafim permalink
    15 de março de 2012 2:27 pm

    Marcia….. voce não tem preço!!!!!! precisa ser inventada novamente!!!! te amo!!!! neusa serafim( tia do adaor)

  18. 19 de abril de 2012 3:28 pm

    tu precisa conhecer a manicure da rua riachuelo,ela é muito hippie,comenta da cuticula a filosofia oriental

  19. Danniela Moreira permalink
    15 de julho de 2013 9:29 pm

    Que lindo esse texto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: