Skip to content

Complexo de Roberto Carlos

26 de março de 2012

Originalmente publicado na Revista Cult, para usar na aula de hoje no Curso Filosofia PoP do Mackenzie. Publicado também no meu Livro Filosofia POP (ed. Bregantini, 2011)

A amizade e o fundamento subjetivo das redes sociais

“Eu quero ter um milhão de amigos” é o famoso verso da linda canção “Eu Quero Apenas”, de Roberto Carlos. Adaptado aos nossos tempos, o verso representa o anseio que está na base do atual sucesso das redes sociais. Desde que Orkut, Facebook, MySpace, Twitter, LinkedIn e outros estão entre nós, precisamos mais do que nunca ficar atentos ao sentido das nossas relações. Sentido que é alterado pelos meios a partir dos quais são promovidas essas mesmas relações.

O fato é que as redes brincam com a promessa que estava contida na música do Rei apenas como metáfora. O que a canção põe em cena é da ordem do desejo cuja característica é ser oceânico e inespecífico. Desejar é desejar tudo, é mais que querer, é o querer do querer. Mas quem participa de uma rede social ultrapassa o limite do desejo e entra na esfera da potencialidade de uma realização que vem tornar problemática a relação entre real e imaginário. Se a música enuncia que “eu quero ter um milhão de amigos”, ela antecipa na ala do desejo o que nas redes sociais é seu cumprimento fetichista. E o que é o fetichismo senão a realização falsa de uma fantasia por meio de sua encenação sem que se esteja a fazer ficção? Torna-se urgente compreender as redes sociais quando uma nova subjetividade define um novo modo de vida caracterizado pelo que chamaremos aqui de complexo de Roberto Carlos.

Tal complexo se caracteriza pelo desejo de ter um milhão de amigos no qual não está contido o desejo de ter um amigo verdadeiro, muito menos único. A impossibilidade de realização desse desejo é até mesmo física. Não seria sustentável para o frágil corpo humano enfrentar “um milhão” de contatos reais. Na base do complexo de Roberto Carlos está a necessidade de sobrevivência que fez com que pessoas tenham se reunido em classes sociais, famílias, igrejas, partidos, grêmios, clubes e sua forma não regulamentada que são as “panelas”. Um milhão de amigos, portanto, ou é metáfora de canção ou é fantasmagoria que só cabe no infinito espaço virtual que cremos operar com a ponta de nossos dedos como um Deus que cria o mundo do fundo obscuro de sua solidão. Complexo de Roberto Carlos, de Rei, ou de Deus…

Questão fantasmagórica
A questão é da ordem do imaginário e de sua eficiente colonização. Não haveria o que criticar nesse desejo de conexão se ele não servisse de trunfo exploratório sobre as massas. Refiro-me às empresas de comunicação digital que usam o desejo humano de conexão e comunicação como isca para conquistar adeptos. Amizade é o nome dessa isca. Mas o que realmente está sendo vendido nessas redes se a amizade for mais que isso? Certamente não é a promessa de amizade, mas a amizade como gozo: a ilusão de um desejo realizado. E quando um desejo se realiza? Apenas quando ele dá lugar à aniquilação daquilo que o impulsionava.

Logo, o paradoxo a ser enfrentado nas redes sociais é que a maior quantidade de amigos é equivalente a amizade nenhuma. A amizade é como o amor, que só se sustenta na promessa de que será possível amar. Por isso, quando se sonha com o amor, ele sempre é desejo de futuro, no extremo, de uma eternidade do amor. O mesmo se dá com a amizade. Um amigo só é amigo se for para sempre. Mas quem é capaz de sustentar uma amizade hoje quando se pode ser amigo de todos e qualquer um?

De todas as redes sociais, duas delas, Orkut e Facebook, usam a curiosa terminologia “amigo” para nomear seus participantes. Certamente o uso da palavra não garante a realidade do fato, antes banaliza o significado do que poderia ser amizade, como mostra o recente filme A Rede Social (The Social Network, 2010), dirigido por David Fincher. O filme não é apenas um retrato de Mark Zuckerberg, o jovem e bilionário criador do Facebook, mas uma peça que pode nos fazer pensar sobre o sentido que nosso tempo digital dá à amizade.

Mark Zuckerberg, como personagem do filme, é o sujeito excluído de um clube. Dominado pelo básico desejo humano de “fazer parte”, ele decide criar seu próprio clube. No filme, ele consegue ter milhares de “conectados” – na realidade o Facebook hoje conecta 500 milhões de pessoas ou “amigos” – e perder seu único amigo verdadeiro, Eduardo Saresin. A amizade é a básica e absoluta forma da relação ética, aprendida como função fraterna no laboratório familiar e na escola; ela é uma qualidade de relação. Tratá-la como quantidade é a autodenúncia de seu fetiche e de sua transformação em mercadoria. O valor do filme está em mostrar a inversão diante da qual não há mais nenhuma chance de ética: um amigo não vale nada perto de milhões, como uma moedinha que perde seu valor diante de um cofre cheio. Amigos transformados em números não são amigos em lugar nenhum, nem na metáfora de Roberto Carlos, que serve aqui para denunciar criticamente o mundo do qual somos responsáveis junto com Mark Zuckerberg.

11 Comentários leave one →
  1. 26 de março de 2012 7:31 pm

    O texto me faz pensar que as coisas tem potencialidades, boas e ruins. Cabe a nós decidir que uso fazer delas. Se bem que… Muitas vezes, é difícil fugir das atitudes pouco refletidas. Nos tornamos pessoas alienadas e nos deixamos levar, no automático. Mas mesmo assim acredito que nada é essencialmente ruim. Existem alternativas. A criatividade humana deve ser utilizada alternativamente. A quanto conhecimento não tive acesso através das mídias sociais? Enfim… Gosto daqui, estou gostando do curso no Mackenzie, gosto dos tweets, li um texto ou outro, e um livro, acho. E… é. Gosto daqui. Você me faz pensar diferente. Pensar é bom. E difícil. Boa a experiência de te ‘conhecer’, obrigada.

  2. velocidadesinfinitas permalink
    26 de março de 2012 8:05 pm

    A filósofa não errou de canção mas errou de verso. Na música “Eu Quero Apenas”, de Roberto Carlos, o verso que representa ‘o anseio que está na base do atual sucesso das redes sociais’ não é “Eu quero ter um milhão de amigos”, e sim: “Eu só não quero cantar sozinho”.
    Tirando esse pequeno grande equívoco, no mais, o texto tem muita coisa que se aproveitar.

    • velocidadesinfinitas permalink
      28 de março de 2012 11:26 am

      Desenhando…
      Como disse Cioran em seu Breviário:
      “Cada um de nós faz o impossível para não se ver entregue a si mesmo”…
      Eis o verdadeiro ‘anseio que está na base’ não apenas ‘do atual sucesso das redes sociais’, mas de tudo o que diz respeito à nossa relação com nosso semelhante.
      Conseguir fazer um amigo de verdade ou um milhão deles é questão meramente acidental, seja em que meio for.
      O anseio de cada um de nós (sem a menor certeza de que vamos conquistar um amigo ou um milhão) é não se ver entregue a si mesmo.
      Neste sentido, na canção “Eu Quero Apenas”, de Roberto Carlos, o verso que mais se aproxima das palavras de Cioran e que revela ‘o anseio que está na base’ da necessidade de nos despregarmos de nós é “Eu só não quero cantar sozinho”.

  3. 26 de março de 2012 8:50 pm

    Eu acho que o propósito de Roberto era poético e utópico mesmo! Ele queria ‘ter mesmo um milhão de amigos e bem mais forte poder cantar’. Eu acho que quando ele cantava este verso ele pensava, por exemplo, em amigos como Erasmo. Eu não tenho paciência para redes sociais. Eu não quero ter um milhão de amigos, eu quero ter contato real com os meus poucos e bons amigos! Mas, o mundo virtual tem seu valor, não fosse uma pesquisa no Google que me levou ao Youtube eu não teria lido Magnólia, A Mulher de Costas, Olho de Vidro, Filosofia Pop nem O Manto, nem conhecido este blog ou visto seus vídeos. Jamais saberia que esta Tiburi é aquela que eu via en passand no Saia Justa. Posso mesmo afirmar que não foi nem aqui que eu lhe encontrei, mas, nos seus livros. Sempre o bom e insubstituível LIVRO!

  4. 26 de março de 2012 11:21 pm

    Reblogged this on otempodasideias.

  5. 27 de março de 2012 2:51 am

    Márcia, simplesmente seu texto concretizou alguns dos pensamentos que vem rondando e atormentando minha mente.
    O fundamental para a compreenssão da essência de suas palavras foram as comprações feitas entre o real e imaginário, musica e o filme citados, durante o desenvolvimento de suas idéias.
    Não há nada mais “saboroso” que identificar-se completemente com o outro e saber que há pessoas, não importam onde e como, que são compatíveis com você seja durante uma leitura, na fila do banco, metro ou supermercado. O essencial é saber que elas existem !!!
    Continuarei andando por aqui … afinal me faz mais do que bem ….

  6. 27 de março de 2012 11:34 am

    perfeito!

    e o bom é que os livros tb são amigos! =)

  7. Lluciana Marinho permalink
    27 de março de 2012 11:51 am

    Muito bom Marcia! E incrivel como a tecnologia pode ti usar se vc nao tiver uma visao critica sobre as coisas. seja qual for a tecnologia , midia , se vc nao consegue refletir sobre esta vc de fato e usado pela mesma. bj grande ! Saudades! Luciana Marinho

  8. Adriana permalink
    1 de abril de 2012 6:51 pm

    “eu só não quero cantar sozinho” nao ligo se canto só,ou com apenas um amigo.Quero sim amigo de verdade e nao “uns”só para “curtir”a minha foto.

  9. 1 de abril de 2012 11:20 pm

    O nome do sócio e ex-amigo de Marck Zuckerberg é Eduardo Saverin.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: