Skip to content

9 TESES SOBRE O ABORTO

11 de abril de 2012

1-    O ABORTO É A METÁFORA DA MORAL MASCULINISTA CARACTERIZADA PELO DESRESPEITO TOTAL PELAS ESCOLHAS DAS MULHERES E POR SUAS VIDAS.

 

2-    MASCULINISMO É A FORMA MAIS COVARDE DA IDEOLOGIA PATRIARCAL, UMA DEFESA DOS HOMENS DIANTE DA APAVORANTE SOBERANIA FEMININA CONCERNENTE AO FATO DE GESTAR OU NÃO GESTAR OUTREM. 

 

3-    ABORTO É UMA PRÁTICA COMUM A MULHERES LIVRES MORAL, EMOCIONAL E ECONOMICAMENTE, OU SEJA, MULHERES SOBERANAS. É ESSA SOBERANIA QUE INCOMODA E GERA DESESPERO ENTRE OS MASCULINISTAS.

 

4-    A ILEGALIDADE DO ABORTO É SUSTENTADA EM PAÍSES POBRES, MORALISTAS E/OU ATRASADOS POLITICAMENTE EM QUE O PODER CALCULA SOBRE A VIDA APELANDO PARA O DISCURSO JÁ QUE SE PRESSUPÕE AUTORITARIAMENTE QUE NINGUÉM É CAPAZ DE QUESTIONAR O DISCURSO E PERCEBER A SUA INVERDADE.

 

5-    QUEM SUSTENTA A ILEGALIDADE DO ABORTO É ASSASSINO EM POTENCIAL.

 

6-    A SUBSTITUIÇAO DA QUESTÃO DO ABORTO PELA QUESTÃO DA VIDA É UMA ABSTRAÇÃO DE QUEM QUER VENCER PELO DISCURSO E CONTINUAR ASSIM NO COMANDO BIOPOLÍTICO DOS CORPOS E DA VIDA DAS MULHERES.

 

7-    AS MULHERES QUE ABORTAM NÃO OPERAM EM RELAÇÃO À VIDA EM ABSTRATO, MAS EM RELAÇÃO À VIDA EM SENTIDO CONCRETO COMO PRÁTICA SÓCIO-POLÍTICA E EXISTENCIAL.

 

8-    TODA MULHER É DONA DO SEU CORPO E ISSO INCLUI A POSSIBILIDADE DE NÃO GESTAR O INDESEJADO.

 

9-    SOMENTE AS PRÓPRIAS MULHERES COMO INDIVÍDUOS LIVRES DEVERIAM TRATAR DESTE SEU PRÓPRIO ASSUNTO. SOMENTE ELAS PODEM DEFENDER LEGITIMAMENTE O SEU PRÓPRIO DIREITO DE GESTAR OU NÃO GESTAR, DE PARIR OU NÃO PARIR. 

63 Comentários leave one →
  1. RichardOak permalink
    11 de abril de 2012 5:11 pm

    Mais a fundo, os argumentos contra a livre escolha da mulher é “PURAMENTE RELIGIOSO”… Vide o absurdo de quando se discuti leis ver a mídia chamar um padre ou líder religioso qualquer pra opinar sobre algo ESTATAL, o estado é laico, individualidades à parte, misturar; impor crenças nunca deu certo e nem foi certo… Fora o paradoxo de “escolher a vida”; como no caso do islã onde jovens menores que são estupradas e como diz suas leis ‘teocráticas’ devem casar-se com estupradores, ocasionando o suicídio das mesmas.

  2. Jettro7 permalink
    11 de abril de 2012 6:13 pm

    Concordo plenamente que a mulher deve decidir livremente sobre seu corpo principalmente quanto a gestar ou não, mas depois da gestação existir ela já não está mais só na decisão visto que ela vai decidir não só pelo seu corpo, mas por mais um que está em seu ventre. Bom, acho que não seja mais uma questão só individual, ver dessa forma sim é ser assassino em potencial. Acho que é muito mais prático em não querendo parir não gestar!

    • Andressa permalink
      12 de abril de 2012 3:00 pm

      Adorei!

    • 12 de abril de 2012 11:48 pm

      concordo.

      o problema é que nós somos do gênero masculino.

      Não podemos nos expressar sobre este assunto, me parece. Abs

      • Zilda permalink
        22 de setembro de 2013 9:13 pm

        Zilda
        pelo pouco q sei sobre a questão me parece que para gerar uma vida há a necessidade de dois, portanto, a decisão não cabe a mulher tão somente, mas com certeza é uma decisão que deve ser enfrentado por aqueles que, por qq razão se viram diante da situação problema. mas com certeza a dor vivenciada por tal ato será sempre maior para a mulher. Melhor ainda é prevenir.

    • sabrina permalink
      16 de abril de 2012 11:26 am

      Concordo plenamente, se não quer gerar o indesejado, então não faça o indesejado, o aborto é um paliativo para falta de cultura e de educação, ao invés de falar-se em campanhas sobre a legalização do aborto, porque não investir em prevenção? Assim como é mais fácil evitar a Aids do que tratá-la. O aborto é um assunto delicado, e achei estas nove teses, muito superficiais pois elas não tocam no cerne do assunto, tratam apenas de um dos fatos, que é o direito de escolha da mulher e o sexismo do qual somos vítimas há milênios,mas quando se fala em vidas a coisa vai mais além. Conheci mulheres estúpidas, que praticaram abortos mais de uma vez por puro comodismo, uma inclusive já mãe de quatro filhos. Não se trata de uma pobre coitada que não sabia o que fazia mas de uma tola, que não valoriza nada além de si mesma. Eu mesma sou mãe, engravidei não de forma planejada, mas enquanto transei sem preservativo sabia exatamente o que poderia acontecer e que de fato aconteceu, depois disso não corri o risco, mas crio meu filho com todo amor do mundo. Mulheres que abortam, tendem a repetir o processo, e na medida que se acostumam isso se torna comum.

  3. Daniele permalink
    11 de abril de 2012 6:19 pm

    Nosso país é tão moralista e ignorante que discrimina quem aborta, mas discrimina também quem opta por não abortar! Ou seja o respeito a escolha da mulher é zero em qualquer das hipóteses.

    • 22 de abril de 2012 10:49 pm

      Quando a sua vida começou? Só se pode conseguir uma resposta a essa pergunta voltando no tempo. Antes de você se tornar adulto, você era um adolescente. Antes disso você era uma criança e antes disso você era um bebê. Antes de ser bebê — isto é, antes de nascer — você era um feto, e antes disso um embrião. Antes de ser embrião (mais ou menos no tempo de sua implantação), você era um blastócito. Antes disso você era uma mórula, e antes disso um zigoto ou óvulo fertilizado. Portanto, sua vida começou quando o núcleo do espermatozóide do seu pai se uniu com o núcleo do óvulo de sua mãe, isto é, sua vida começou na fertilização.

      se sua mãe pensasse feito você fatalmente você não estaria aqui opinando. pense nisso! as mulheres devem ter a responsabilidade pela vida que já esta no ventre no momento da fecundação do óvulo.

      • Vinicius Fraga permalink
        28 de maio de 2012 7:57 am

        “Antes disso você era uma mórula, e antes disso um zigoto ou óvulo fertilizado. Portanto, sua vida começou quando o núcleo do espermatozóide do seu pai se uniu com o núcleo do óvulo de sua mãe, isto é, sua vida começou na fertilização.”

        Tudo que existe na biologia contradiz vc… quer dizer que os gametas não estão vivos? Que o espermatozóide não é uma célula viva que percorre um caminho absurdo até fecundar o óvulo? Vc, sendo mulher como seu nome indica devia se envergonhar de usar a sua desinformação para ser mais uma a apoiar a subserviência feminina. Uma lástima…

      • Lexluthor permalink
        29 de outubro de 2012 6:11 pm

        O Vinicius Fraga está completamente equivocado. Na verdade, a pisciana estava se referindo apenas o início potencial da vida humana, que a própria biologia define que é o ZIGOTO, e ponto. Após o zigoto, a diferença entre essa fase e eu ou vc é apenas nutrição e tempo. A biologia não contradiz a pisciana. Ela não está definindo vida, mas vida humana propriamente dita. E ela se inicia na fecundação. E de fato, quem defende o aborto, só está aqui por que os seus pais tiveram a infelicidade de decidir pela vida de vcs. Mas já que cada um tem a sua opinião, a minha é pela vida. Se a mulher não quer ter filhos, então se previna, ou então doe a criança a um orfanato. ou faça melhor, quero ver se vcs tem coragem de depois da criança recém-nascida, vcs dão um porrete na criança até matá-la, pois é a mesma coisa. O que os olhos não veem o coração não sente.

  4. Chris - Memórias Vivas permalink
    11 de abril de 2012 6:42 pm

    é tão simples essa questão, o corpo é da mulher portanto só ela pode decidir o que quer fazer.Nada mais, ao estado cabe a parte da saúde publica, e as igrejas cabe se abster de dar opiniões hipocritas. Nenhum homem gera ou vai parir e muito menos cuidar esses bebes indesejados, portanto não tem direito a voto!!

  5. AMO A MARCIA TIBURI permalink
    11 de abril de 2012 7:25 pm

    A Márcia é uma linda, eu que inventei essa frase owwwwwww!

  6. Marcia Veiga permalink
    11 de abril de 2012 7:44 pm

    Quando começam a discutir sobre a lei do nascituro, ou seja, de tornar cidadã/o ainda no ventre materno, sempre fico pensando no quanto isso pode cair por terra usando os mesmos argumentos capitalistas e machistas que fazem sentido ao universo masculino do nosso legislativo. A questão da herança. Se desde o útero há direitos, inclusive sucessórios e de heraça, um aborto natural/expontâneo já garantia direto de herança para a mãe, independente do pai (aquele que via de regra participa apenas do ato sexual, e nem por isso se responsabiliza direito)querer ou não. Talvez assim, com a possibilidade de mexer no bolso, os homens “de bens” que estão no Congresso passassem a repensar essa tal lei e o debate possa de vez se instaurar sem o véu da hipocrisia religiosa sob os quais os mesmos tendem a se esconder.

  7. 11 de abril de 2012 9:04 pm

    ” SOMENTE AS PRÓPRIAS MULHERES COMO INDIVÍDUOS LIVRES DEVERIAM TRATAR DESTE SEU PRÓPRIO ASSUNTO”. É exatamente isto. Quando me perguntam sobre o aborto é por aí que vou… Penso que tem muito homem para falar bobagem sobre algo que não temos nenhuma condição de ‘conceber’ (nem metaforicamente).

  8. 11 de abril de 2012 9:16 pm

    Dar continuidade de minha essência à outro ser, apenas se houver o querer.
    Pois se não posso tomar as decisões que cabem apenas apenas à mim, nada sou, nada tenho, nada posso.
    Serei o nada carregando o vazio em meu ventre.

  9. 11 de abril de 2012 10:02 pm

    Antes eu era contra o aborto. Agora sou a favor do aborto no caso de estupro e nesse de anencéfalos. Não estou dizendo que estou melhorando ou evoluindo, mas estou mudando. Ainda me sinto desconfortável com esse assunto; resquícios de religiões incutidas, de educação familiar, ou de sentimentos íntimos inexplicáveis. Talvez também porque só consiga pensar no bebê e nunca na mulher que o carrega. Não tenho essa sua facilidade de discernimento a respeito do assunto aborto. Mas são argumentos lógicos, gerados através de tudo que já leu, aprendeu ou vivenciou. E a cada vez que leio, ou ouço algo a respeito, amplia meu entendimento e aceitação. Por isto o meu respeito é abspluto para com quem se decide a optar por ele. Como lhe disse: pena que perdi o debate. ( a mosquinha acima é pra incomodar né?)

    • 12 de abril de 2012 7:04 am

      A mosquinha é só um desenho que gostei muito de fazer, me deu muito trabalho e, penso eu, modestamente, é muito bonito. não?
      Gostei da sua sinceridade sobre o tema do aborto e da reflexão ética que a fundamenta.
      bjs, Marcia

  10. 12 de abril de 2012 2:57 am

    Concordo com tudo, partindo do princípio que a lberdade é uma condição ungida! Gente, nesta miséria de mundo em que vivem estas coitadas que morrem por abortar clandestinamente, não se escolhe sequer com quem se copula. A maioria se vende por sobrevivência. Não é porque o pagador é marido que é menos dono. Sim, quem paga é dono! Eu defendo e luto em favor de meios para que as mulheres tenham o que mais se aproxima de liberdade em vida social, autonomia! É porque a mulher se deixa engravidar ‘sem querer’ que o perverso masculinismo propala que ela é incapaz de resolver a consequência. Eu não estou falando de ouvir. Há vinte anos eu me deparo profissionalmente com esta situação, mulheres de toda idade, até de classes mais aquinhoadas, dizerem, foi sem querer! Como pode? Tem alguma coisa muitíssimo errada aí, pois, elas estão falando a verdade, não queriam mesmo! Assim, se colocam como passivas e incompetentes para decidirem o próprio devir! É tão grave, dá uma revolta tão imensa, vocês já pararam para pensar. Estamos discutindo o que podem ou não fazer com o NOSSO corpo, como pudemos deixar chegar a este ponto!

  11. Vera Santos permalink
    12 de abril de 2012 4:37 am

    Quem não nasceu ainda, não pode se posicionar com relação ao aborto, mas que já foi abortado e sobreviveu, sim.
    A substituição da questão da vida pela questão do “direito de escolha” e dos “direitos sexuais e reprodutivos uma estratégia desonesta para promover o genocídio de crianças em nome de uma cultura egoísta e hedonista, assim como a desumanização das pessoas não nascidas. Se o feto é apenas uma parte do corpo da mulher, o que seria? Um orgão? Um cisto? A mãe que morre fazendo aborto clandestino sempre tem a opção de não matar o seu filho, mas o embrião não tem a opção de não morrer. Convivo diariamente com as sequelas de uma tentativa de aborto, mas no caso, eu é que estava sendo abortada. Alguém aí vai me dizer que se o aborto fosse legalizado eu não sofreria tudo isso porque seria morta com eficiência? Pois saibam que apesar de ser surda e ter problemas de coordenação mootora , eu gosto de estar viva. Mas vocês insistem na falácia de que a única razão para ser contra a legalização é o patriarcado controlando a sexualidade feminina. Existem outros e outras sobreviventes como eu, sistematicamente ignorados por vocês, que mascaram os outros lados da questão com chavões do meio intelectual. Quem defende a legalização do aborto é um assassino em potencial.

    • 12 de abril de 2012 6:00 pm

      Apoio você, Vera!
      Parabéns pela coragem de se manifestar no meio de tantas pessoas a favor do aborto…
      Pode ter certeza que você não sobreviveu à toa!
      Nem vou dizer mais nada, pois você já disse não tudo mas o suficiente!

  12. Andressa permalink
    12 de abril de 2012 3:16 pm

    “1-O ABORTO É A METÁFORA DA MORAL MASCULINISTA CARACTERIZADA PELO DESRESPEITO TOTAL PELAS ESCOLHAS DAS MULHERES E POR SUAS VIDAS.”. A mulher que aborta é, na maioria das vezes, a mais machista e egoísta dos seres. Pensa nela, somente nela. No mesmo sentido que o machismo sustenta a supeioridade masculina, o aborto banal sustenta que uma atitude nossa não tem consequencias (com ressalva ao aborto por estupro).

    “2-MASCULINISMO É A FORMA MAIS COVARDE DA IDEOLOGIA PATRIARCAL, UMA DEFESA DOS HOMENS DIANTE DA APAVORANTE SOBERANIA FEMININA CONCERNENTE AO FATO DE GESTAR OU NÃO GESTAR OUTREM.” Porque a decisão de não abortar seria masculinismo? É tão ruim assim gerar uma nova vida no ventre? Não seria negar a caracterísca feminina mias importante e soberana? Só falam em “corpo” daquela que gesta. Mas o “corpo” que está dentro todos fingem esquecer.

    “3-ABORTO É UMA PRÁTICA COMUM A MULHERES LIVRES MORAL, EMOCIONAL E ECONOMICAMENTE, OU SEJA, MULHERES SOBERANAS. É ESSA SOBERANIA QUE INCOMODA E GERA DESESPERO ENTRE OS MASCULINISTAS.” Mulheres soberanas são aquelas que independente da situação dão exemplo de força, garra ao não abortar uma criança indesejada. Criam com ou sem pai, com ou sem apoio do governo. Educam de acordo com sua própria condição. Ser mãe não é fácil em NENHUM momento da vida.

    “7- AS MULHERES QUE ABORTAM NÃO OPERAM EM RELAÇÃO À VIDA EM ABSTRATO, MAS EM RELAÇÃO À VIDA EM SENTIDO CONCRETO COMO PRÁTICA SÓCIO-POLÍTICA E EXISTENCIAL.” Não, as mulheres que abortam abortam por que viram isso como único meio de “resolver” seu problema. O aborto não é solução “sócio-política e existencial”, mas visto como único meio para mulheres perdidas e sem perspctivas. É uma medida falha.

    Sou contra o aborto indiscriminado, a favor da legalização. Sou mulher, a favor dos direitos das mulheres, a favor das mulheres pseudo feministas refletirem sobre seu egoísmo e suas teses estapafúrdias. Feminismo é idiota, assim como o machismo. Sou a favor do uso do anticoncepcional, e principalmente da educação!

    • Jettro7 permalink
      13 de abril de 2012 9:10 pm

      Bravíssimas suas colocações!

    • sabrina permalink
      16 de abril de 2012 11:33 am

      ótimo.

    • Vinicius Fraga permalink
      28 de maio de 2012 8:00 am

      Péssimas colocações, argumentos descabidos e baseados em senso comum, que não tem nada de reflexivo. Feminismo é idiota? Tenho um palpite melhor sobre quem é…

  13. Débora permalink
    12 de abril de 2012 4:13 pm

    Sou contra o aborto, sempre fui. Sou ateia e isso nao tem nada a ver com religiao. Sempre aceitei o aborto em caso de estupro, risco de vida para a mae e para o feto. Agora que estou gravida e estou do outro lado (o lado da decisao), cheguei a pensar, sem ter certeza, de que talvez também seja correto fazer um aborto em caso de uma deficiencia mental grave. Aqui na Italia é legal. Até 12 semanas, a mae pode fazer so pelo fato de nao querer. Até 24 semanas se ficar comprovado por exame que tem uma deficiencia. Mas ai fica dificil saber o limite. Fica dificil julgar… Nao sei se eu teria coragem, mas talvez fizesse em caso de sindrome de down. Mas uma amiga disse que talvez fizesse no caso de nao ter uma perna ou um braço. Discordamos. Quantas pessoas sao felizes sem uma perna? E quantas pessoas sao felizes com Down? Ai que eu digo. Fica dificil julgar, fica dificil escolher que tem o direito de viver…

    Quanto a questao do pais pobre, da masculinidade, da mulher que nao tem direito de decidir sobre o proprio corpo… Bem, nao concordo com nenhuma das afirmaçoes que forem feitas ali em cima. O feto nao faz parte do corpo da mulher, ele so esta dentro dela. Ele é uma criaçao dela e do pai. Entao, se fosse legalizado, na minha opiniao, deveria ser uma decisao tomada e assinada pelo casal. De qualquer maneira, nao acho que a soluçao seja legalizar. A soluçao é evitar, educar, destribuir educaçao e meios anti-consepcionais.

    Podem dizer que sou moralista, mas continuo achando que o aborto é um assassinato.

    • Vinicius Fraga permalink
      28 de maio de 2012 8:06 am

      “O feto nao faz parte do corpo da mulher, ele so esta dentro dela. ”

      Assim como seu coração, pâncreas, pulmões… nada disso faz parte, “só” está dentro dela. Isso é que é tergiversar. Desculpe a honestidade, mas vc se diz atéia porque não acredita em deus, mas não parece ter nenhum dos atributos necessários à uma investigação apropriada esperada por alguém que tomou essa decisão conscientemente.

  14. 12 de abril de 2012 8:02 pm

    Olá! Sou um cara otimista, um cara de fé. Não acho que “as coisas da vida” sejam definidas em bases exclusivamente racionais. É claro que cada um de nós tem total direito de decidir sobre seus corpos. São exceções as crianças (os responsáveis legais são os pais) e os idosos mentalmente incapazes (os responsáveis legais são a família). Acredito que o abortamento legalizado acaba sendo “um atalho” para a resolução de problemas causados em grande parte pela pobreza (em todos os seus sentidos) e também pela falta de educação sexual, uma oportunidade para que todos sejam saudavelmente ensinados a cuidar dos seus corpos de maneira responsável, cuidando para que outros não sejam agredidos em suas liberdades. Neste sentido, vejo a mulher (e também o homem) como corresponsáveis pela gestação nos casos de gravidez, afinal a concepção ocorreu como fruto de um relacionamento sexual entre ambos. Na contramão das tendências atuais, acredito que devemos zelar pela vida do embrião, incapaz de se defender, totalmente dependente de seus pais (pai e mãe). O sistema de saúde deve estar capacitado ao amplo atendimento das gestantes. Psicólogos e assistentes sociais também devem estar facilmente acessíveis as gestantes e seus familiares em casos necessários. Infelizmente, a sociedade que quer ver a mulher valorizada é a mesma que a diminui em todos os meios de comunicação existentes, tornando-a um simples objeto sexual. Antes de discutirmos sobre o abortamento, porque não discutirmos sobre a sexualização das mulheres? Por que não discutirmos amplamente sobre a influência da pornografia em nossa sociedade, influência sobre nossas crianças, os adolescente, os jovens e os adultos? Nossas crianças estão começando a se relacionar sexualmente cada vez mais cedo, não é mesmo? Quantas adolescentes grávidas… Termino como comecei: tenho muita esperança. Mesmo que todas as evidências apontem para o contrário, uma gravidez indesejada pode sim gerar e trazer ao mundo uma criança saudável, inteligente e feliz, totalmente capacitada para cumprir com competência seu papel social. Isto sim é difícil. E depende de nós.

  15. 12 de abril de 2012 9:14 pm

    Reblogged this on O Tempestadee comentado:
    Impossível ler este post e não querer divulgá-lo por concordar com tudo aí escrito.

  16. José Henrique Souza Junior permalink
    12 de abril de 2012 10:16 pm

    Esse é o país das injustiças, da corrupção, do atraso, de lideranças políticas e religosas mesquinhase oportunistas.

  17. 13 de abril de 2012 3:15 pm

    Eu penso: Se eu tenho o direito sobre o meu proprio corpo entao eu tenho o direito de morrer?

    • Vinicius Fraga permalink
      28 de maio de 2012 8:08 am

      Muita gente exerce esse direito na forma de suicídio…

  18. Joyce Oliveira permalink
    13 de abril de 2012 5:59 pm

    Gostei do texto. Também sou a favor do aborto e da total autonomia sobre meu corpo enquanto mulher.

  19. 14 de abril de 2012 4:43 pm

    Perfeito!!!

  20. 15 de abril de 2012 6:05 am

    Sou, como toda pessoa de pensamento livre, evidentemente a favor do aborto. Ou seja, a favor da livre escolha de cada indivíduo. Mas devo dizer, nunca olhei para o assunto sob uma ótima machista/feminista. Sempre achei que as raízes desta ignorância eram mais religiosas. Talvez tenha razão.

  21. Bibiana permalink
    17 de abril de 2012 8:40 am

    Não concordo! Não sou religiosa e não concordo com o aborto! E se você perguntar à qualquer mulher que se encontra em dificuldades de gestar, vai perceber que praticamente todas pensam como eu.
    Sem falar que estamos em 2012, e a pílula anticoncepcional existe há mais ou menos 50 anos. Além de outros métodos contraceptivos…
    Em minha humilde opinião acho um atraso ter que remediar uma situação que facilmente poderia ser prevenida.
    Grata,
    Bibiana.
    OBS: falo na questão em geral. Obviamente a questão de a mulher decidir sobre gestar ou não um bebê anencéfalo já merece discussão com mais cuidado.

    • Vinicius Fraga permalink
      28 de maio de 2012 8:11 am

      “(…) E se você perguntar à qualquer mulher que se encontra em dificuldades de gestar, vai perceber que praticamente todas pensam como eu.”

      Qualquer mulher quer dizer todas? Eu sempre desconfio de quem fala em nome de uma totalidade sem lhe pedir autorização.

      • 28 de maio de 2012 11:32 am

        Vamos falar de mórula, blastocisto, ou de óvulo e espermatozóides? O início da vida. Até uma planta que nasce num terreno infértil é vida que busca um caminho.
        Vamos falar de saúde pública? Médicos e hospitais (mais) lotados por mulheres que, num momento de irresponsabilidade, não lembraram de usar camisinha, ocupando leitos onde seriam tratados pacientes com doenças não tão fáceis de prevenir.
        Vamos falar de mulher, inteligente, livre, conhecedora de seu corpo, capaz de decidir se quer ou não ter um filho e optar por inúmeros métodos contraceptivos?
        Vamos falar de infertilidade? Não saberia dizer o número de casais lutando pra ter um filho, sonhando com algo que tantos outros lutam pelo direito de jogar no lixo!
        Não posso falar pelo nome de todas, como disse antes, mas sei o que muitas pensam!
        Te sugiro pesquisar na internet, ler sites sobre o assunto, conhecer de perto esse grupo (que não é tão pequeno) de mulheres que não aceita o aborto.
        OBS: de novo, falo do aborto na questão geral, não especificamente no caso dos anencéfalos.

  22. Rita Bonifácio permalink
    17 de abril de 2012 5:52 pm

    Para aqueles que não entendem nada de Multidimensionalidade a Marcia Tiburi é uma excelente ignorante a ser aplaudida. A mulher é sim “dona de seu próprio corpo” .
    Um corpo físico e que decompõe mesmo sem sua vontade, mas a mulher não é dona de uma vida que está dentro de seu corpo. Como ela foi parar lá? Eu respondo: De uma relação sexual com um homem “machista” que a Marcia tanto fala. Não sou religiosa e não participo de nenhuma seita, muito pelo contrário sou uma pesquisadora muldimensional que vivo uma realidade como experimentadora e não fico só na teoria. Por isso sei que uma consciência que é abortada e privada de sua nova vida aqui na intrafisicalidade é algo extremamento impacto.Isso demonstra muito egoísmo é burrice.
    Sinto muito Marcia, sou sua admiradora em termos intelectuais e acadêmico. Mas como uma excelente pesquisadora que sempre utiliza o bi nome admiração e discordância.
    Admiro você, mas discordo de toda essa sua falta de sensibilidade e imenso egocentrismo defendendo um ato que só é favorável a quem pratica.

    • 17 de abril de 2012 11:03 pm

      Você e muito grosseira. Mas como mandou a mensagem, publico-a mesmo assim.

      • Rita Bonifácio permalink
        18 de abril de 2012 5:56 pm

        Desculpe Marcia se fui grosseira. Não estou pensando “mal” de você e nem de sua capacidade. Apenas discordei do que você pensa sobre o Aborto.
        Criticar não é falar e nem pensar Mal.

      • 18 de abril de 2012 7:20 pm

        Entendo Rita, mas vc me chamou de ignorante de um jeito muito mal colocado. Leia bem o seu comentário, ou leia para um amigo e pergunte se ele não achou desagradável. De qualquer maneira, claro que está desculpada. E da próxima vez que me achar ignorante, me explique em vez de me maltratar. Eu não tenho problema com minha ignorância, porque de um modo ou outro somos cada um ignorante de alguma coisa. Só me entristeço com o afeto ruim. Um abraço, Marcia

  23. Jeferson H. Moro permalink
    19 de abril de 2012 10:09 am

    Olá Márcia já lhe acompanho a algum tempo, e, em que pese discordar de várias de suas colocações, gosto muito de seus comentários. Pois bem, entendo que o direito primordial, do qual depende todos os demais, é o Direito a Vida. O direito a vida sobrepõe-se ao direito a liberdade. A expectativa de vida se inicia com a concepção, portanto, a mulher possui todo o direito sobre esta efetiva concepção, tem toda a liberdade e liberalidade, sobre seu corpo e sua vontade, permitindo ou não que haja esta concepção (esperma-óvulo). Mas a partir do momento em que ocorre a geração da vida intra uterina, já na depende mais só dela, pois transcende esse direito sobre a vida que antes era só sua, e agora já não é mais.

  24. Helen permalink
    21 de abril de 2012 7:18 pm

    um dos textos mais fortes que li de sua autoria.
    concordo com tudo, e estou muito cansada dessa intrusão religiosa, de religião que nao professo, nos meus direitos civis. todas as instituições, todo mundo parece querer ser dono do corpo da mulher… exausta disso!

  25. Luana Moreno permalink
    22 de abril de 2012 3:09 pm

    Concordo com praticamente tudo, só gostaria de ter uma explicação melhor sobre o tópico 5, quem sustenta a ilegalidade do aborto é um assassino em potencial. Pra mim a questão se resume em – se o corpo é meu, eu decido se alguém pode viver nele ou nao. A partir desse simples postulado, caem todas as especulações religiosas, esotéricas e políticas.

  26. Nana permalink
    22 de abril de 2012 6:15 pm

    A vida é dom de Deus! Se Ele permite nascer que direito tenho eu de matar. Se é para abortar, porque não evitar? A todas as pessoas que são a fovor do aborto…imagine se você hoje soubesse que sua mãe se enganou e por isso queria te abortar, já pensou como seria triste ser rejeitado? E porque não dar o direito do outro viver. A vida é doooooooooooooooooooooon de Deus assassinos!!!!!

  27. AIRTON BARROS permalink
    22 de abril de 2012 8:49 pm

    Para as mulheres que desejam o indesejavel, são escravas das paixões, desconhecem a verdade absoluta e que não enchergam um palmo além do nariz, desconhecem a verdadeira natureza feminina, estudem a verdadeira filosofia e então entenderão que não se pode por pura paixão assassinar uma criança, será que a vida só é vida após o parto, queria ver a posição de voçês se voçês fossem o feto que tanto desejam matar. Essas ideologias é mais um dos truques do ego maldito.

    • AIRTON BARROS permalink
      23 de abril de 2012 1:32 pm

      Em Tempo:
      Para a Sra. Marcia Tiburi

      Sra. Vamos supor que a Sra tivesse nascido em meados dos anos de 1900, e em 1932/33, esta sua ideologia sobre o aborto selvagem estivesse em voga por influência sua, é lógico que a mãe de Helena, baseada na influência que a senhora tenta espalhar aos quatros pela caducidade das letras, decidiria por abortar o feto que seria o de Helena, já pensou em quantos males isto poderia lhe acarretar?
      1-A senhoria não conheceria jamais Helena,
      2-Não leria suas poesias,
      3-Não teria um link no seu site de Helena Schopenhauer
      e outras experiências que não vou nem citar para não ser repetitivo.

      Sra, Toda experiência é algo único.
      O feto antes de ser um corpo é uma cosciência que se desdobra no infinito através de nós, humanos/conscientes.

      Não deixes a caducidade das letras te trair.
      ´” Para a evolução humana consciente é necessário que haja escândalos, mas aiiii daqueles por quem vierem estes escandâlos.
      Frase do maior filosofo de todosos tempos, Jesus de Nazaré.

      A Senhora quer Auto-Afirmação?, busque apenas o necessário..
      Quer ser algo, a Senhora já é Algo, pois a senhora faz parte da sua rua, do seu estado, do seu Pais, da Terra, do Universo, faz parte do consciente coletivo, Faz Parte de DEUS.

      Não sou machista, sou um Homem, vejo o sexo femenino e o masculino como um complemento integral.

      Airton Barros

      • Rita Bonifácio permalink
        13 de agosto de 2012 3:32 pm

        Perfeito!

    • Helen permalink
      23 de abril de 2012 4:32 pm

      a verdadeira natureza feminina….. meu deus!

  28. 22 de abril de 2012 10:59 pm

    “Quando a sua vida começou? Só se pode conseguir uma resposta a essa pergunta voltando no tempo. Antes de você se tornar adulto, você era um adolescente. Antes disso você era uma criança e antes disso você era um bebê. Antes de ser bebê — isto é, antes de nascer — você era um feto, e antes disso um embrião. Antes de ser embrião (mais ou menos no tempo de sua implantação), você era um blastócito. Antes disso você era uma mórula, e antes disso um zigoto ou óvulo fertilizado. Portanto, sua vida começou quando o núcleo do espermatozóide do seu pai se uniu com o núcleo do óvulo de sua mãe, isto é, sua vida começou na fertilização.”

    ” o aborto é a mesma coisa que matar o feto depois de nascido, quem aborta também pode mata o bebê depois de nascido é a mesma coisa, se pode matar um bebê porque que não pode matar um menino mais crescidinho ,né? Ou um adolescente, um jovem, um homem maduro, ou ancião ? todos eles já nasceram, e o argumento que eles usam para isso é que quando o feto esta na barriga ele ainda não é um ser humano é apenas uma coisa, e depois que ele nascer ele também não é um ser humano, porque ele não é ser humano por natureza porque ele nasceu assim, mas ele é ser humano porque a sociedade lhe conferiu esse estatuto de ser humano, se o ser humano não é humano por natureza, quem foi que o tornou humano? Só tem uma explicação foi Deus como esta escrito na Bíblia que o soprou e o fez humano, se o ser humano por natureza não é humano, então ele torna-se humano por conta própria? isso é impossível.
    Há que ache que os animais tem direito humanos, ou seja a ideia de comer um frango assado pode ser considerado um holocausto, algo inumano , então esse pessoal matando e comento galinhas, porcos, vacas, é uma coisa horrorosa totalmente inumano, Agora o feto pode mata e até o bebê também pode matar, o que não pode é tocar nos animais, e esse pessoal que saem nas ruas e pisam numa formiga isso é um genocídio, porque não temos direitos sobre ela.”

  29. AIRTON BARROS permalink
    24 de abril de 2012 8:04 pm

    Para a Sra. Marcia Tiburi, espero que responda.

    1- O ABORTO É A METÁFORA DA MORAL MASCULINISTA CARACTERIZADA PELO DESRESPEITO TOTAL PELAS ESCOLHAS DAS MULHERES E POR SUAS ViDAS.
    Resposta: O “Sim” ao Aborto é a metáfora da moral de algumas mulheres caracterizada pelo desrespeito total aos 2(Dois) pilares que regem qualquer sociedade, a saber
    A ÉTICA E A MORAL. Qualquer verdadeiro filosofo sabe disso.

    2- MASCULINISMO É A FORMA MAIS COVARDE DA IDEOLOGIA PATRIARCAL, UMA DEFESA DOS HOMENS DIANTE DA APAVORANTE SOBERANIA FEMININA CONCERNENTE AO FATO DE GESTAR OU NÃO GESTAR OUTREM.
    Resposta: Feminismo é a forma mais covarde da ideologia matriarcal, uma defesa de algumas mulheres diante da apavorante idéia de nunca ser um homem no sentido integral da palavra HOMEM.
    Homem Integral: significado: Ser masculino, honesto, trabalhador, afável, ama com todo respeito o seu semelhante, seja homem, mulher ou crinaça, do seu suor busca o pão do dia-a-dia e divide com os seus.

    3- ABORTO É UMA PRÁTICA COMUM A MULHERES LIVRES MORAL, EMOCIONAL E ECONOMICAMENTE, OU SEJA, MULHERES SOBERANAS. É ESSA SOBERANIA QUE INCOMODA E GERA DESESPERO ENTRE OS MASCULINISTAS.
    Resposta: Garanto que existem neste país, muitas mulheres que mesmo livre moral, emocional e econômica que não sentem nenhuma necessidade de apelar para o ignóbil e imoral.

    4- A ILEGALIDADE DO ABORTO É SUSTENTADA EM PAÍSES POBRES, MORALISTAS E/OU ATRASADOS POLITICAMENTE EM QUE O PODER CALCULA SOBRE A VIDA APELANDO PARA O DISCURSO JÁ QUE SE PRESSUPÕE AUTORITARIAMENTE QUE NINGUÉM É CAPAZ DE QUESTIONAR O DISCURSO E PERCEBER A SUA INVERDADE.
    Resposta: Que Discurso, Senhora?, por mais que alguns poucos tentem renegar a sua própria natureza divina em detrimento de sua ignorância espiritual, muitos ainda sentem lá no âmago da sual alma a necessidade daquilo que é justo.
    E foi neste sentido que a alma consciente em estado de evolução desde o principio deu sentido a este valor subjetivo que em nossa língua se chama de ÉTICA E MORAL.

    5- QUEM SUSTENTA A ILEGALIDADE DO ABORTO É ASSASSINO EM POTENCIAL.
    R: Não entendi, quem quer matar é inocente e quem defende a vida é assassino?

    6- A SUBSTITUIÇAO DA QUESTÃO DO ABORTO PELA QUESTÃO DA VIDA É UMA ABSTRAÇÃO DE QUEM QUER VENCER PELO DISCURSO E CONTINUAR ASSIM NO COMANDO BIOPOLÍTICO DOS CORPOS E DA VIDA DAS MULHERES.
    Reposta: Acho que a sua persona é quem quer vencer através de um sofisma obscuro
    e uma retórica sem “esplendor’

    7- AS MULHERES QUE ABORTAM NÃO OPERAM EM RELAÇÃO À VIDA EM ABSTRATO, MAS EM RELAÇÃO À VIDA EM SENTIDO CONCRETO COMO PRÁTICA SÓCIO-POLÍTICA E EXISTENCIAL.
    Resposta: Que dizer que a Energia Consciente Universal é só uma abstração ou uma realidade?
    Quem criou o big bang? o proprio bigbang? é impossivel.
    Quem sustenta os planetas no vazio? é apenas as leis da física? Sim e apenas as leis da física. Mas quem criou as leis da física? foi o processo após o bigbang, sim, MAS volto a perguntar, MAS QUEM CRIOU O BIGBANG??

    ,

    8- TODA MULHER É DONA DO SEU CORPO E ISSO INCLUI A POSSIBILIDADE DE NÃO GESTAR O INDESEJADO.
    Resposta: Lembre-se de Ana Schopenhauer, INDESEJADA desde o principio e isto foi a causa da sua ruina psicológica.

    9- SOMENTE AS PRÓPRIAS MULHERES COMO INDIVÍDUOS LIVRES DEVERIAM TRATAR DESTE SEU PRÓPRIO ASSUNTO. SOMENTE ELAS PODEM DEFENDER LEGITIMAMENTE O SEU PRÓPRIO DIREITO DE GESTAR OU NÃO GESTAR, DE PARIR OU NÃO PARIR.
    Resposta:
    -Livre é o Ser que sabe controlar sua paixões.
    -Toda sociedade é regida por leis criadas pelas pessoas que compôem esta
    sociedade, se estas leis são aceitas pela maioria resta a minoria rebelde se calar
    ou se mudar desta sociedade.

    • Rita Bonifácio permalink
      28 de abril de 2012 11:35 am

      Parabéns Airton Barros, suas colocações são dignas de aplausos!!!
      Sua visão multidimensional e fora dos padrões convencionais dos Filósofos materialista, nos mostra um nível de discernimento elevadíssimo!!!!

      • AIRTON BARROS permalink
        1 de maio de 2012 10:18 pm

        Parabéns a todos nós Sra Rita, parabens a Sra, a mim e a todos aqueles que buscam a Verdade. A mentira tem mil faces, mas a Verdade é Absoluta e Imutavel. Na história da humanidade, até agora sempre houve Os Socrates e os Gorgias, os Platões e os Aristotéles, os Jesus e os Pilatos, mas estamos mudando, estamos mudando, a Verdade prevalecerá.
        Airton Barros

  30. Cecília Souza permalink
    11 de janeiro de 2013 2:51 pm

    Vocês que são a favor do aborto que deveriam ter sido abortados!

  31. AKPS permalink
    14 de fevereiro de 2013 11:13 am

    Que desagradável !

  32. dani permalink
    8 de abril de 2013 4:56 pm

    Se dona do próprio corpo e decidir sobre ele também significa ter informação e acesso a métodos contraceptivos. Ser dona do próprio corpo significa também carregar camisinha na bolsa. Ser dona do próprio corpo também significa dizer não ao sexo sem proteção. O discurso feminista pró aborto não combina mais com a realidade da mulher contemporânea. Mulher informada, com atitude, que faz sexo sempre co proteção jamais precisará recorrer a um aborto. A lei, hoje, ampara os casos extremos ( riscos para gestante e estupro) e em breve deverá incluir os casos de anencefalia.

  33. Cintia permalink
    8 de junho de 2013 12:29 am

    Marcia, me tira uma dúvida: Como eu argumento e desenvolvo o seu tópico número 5? To tentando elaborar um texto pra faculdade com argumentos, defendendo o aborto, e leio todos seus textos, adoro. Mas esse tópico, não estou conseguindo desenvolver, não entendi. Brigada

    • Airton permalink
      22 de junho de 2013 10:06 pm

      Desculpe a intromissão, mas a senhora só vai conseguir desenvolver seu texto quando admitir que se a senhora fosse um feto anencefálico, não queria ser assassinado, quem sabe a senhora não muda de idéia e desenvolve um texto em defesa da VIDA.

      • Cintia permalink
        23 de junho de 2013 11:24 am

        Desculpo sua intromissão, Airton. Admita que se eu ou você fôssemos um feto anencéfalo, nem mesmo saberíamos o que é “querer”, não saberíamos o que é “ser” e nem mesmo “assassinado”. Estude e pense um pouco mais.

        “Se o tolo persistisse em sua tolice, sábio se tornaria” (William Blake)

      • Cintia permalink
        23 de junho de 2013 11:37 am

        Marcia, vou na livraria hoje comprar seu livro. Amo!

Trackbacks

  1. #51Minha posição sobre aborto e anencefalia « BLOGUEIRA PEREGRINA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: