Skip to content

Passagem para o passado – Resenha de Eduardo Guerreiro Losso sobre ERA MEU ESSE ROSTO

20 de outubro de 2012

 

Passagem para o Passado

 

 Eis a resenha que Eduardo Guerreiro Losso – Professor de Teoria da Literatura na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – publicou na Revista Cult desse mês sobre meu romance ERA MEU ESSE ROSTO.

 

 

 

Se, já faz algum tempo, a literatura está em crise e perdeu a capacidade de despertar interesse por si mesma, será que estamos presenciando a perda de sua autonomia, que fora tão arduamente conquistada frente às pressões de ideologias religiosas ou políticas e, desde o crescimento da indústria cultural, vê-se ameaçada pelos imperativos do mercado? O desejo de muitos autores de escrever um livro pensando na hipótese de se tornar um filme, isto é, procurando já ser um roteiro, antes de ser um bom livro, é um sintoma do problema.

 

Leyla-Perrone Moisés escreveu recentemente que, na contramão desta tendência, há uma “literatura exigente” que é herdeira das vanguardas, recusa linearidade narrativa e se mistura com ensaio, diário e poesia, desafiando demarcações de gênero. Esse é, sem dúvida, o caso de Marcia Tiburi. Embora Moisés não tenha citado a ficcionista, que já está no seu quarto romance, não falta nela surpreendente qualidade e ousadia, motivo pelo qual eu não hesito em declarar que ela é uma das maiores prosadoras da literatura brasileira atual, junto com nomes como Evando Nascimento, que tem sido merecidamente bem recebido, e Carlos Emílio Lima, André Rangel Rios, Renato Rezende, que ainda não foram descobertos.

 

Era meu esse rosto é um romance feito menos de ação do que do enquadramento descritivo de situações, trabalhadas com uma linguagem carregada de sensorialidade poética, que não cessa de refletir sobre o tempo, a morte, a vida e o medo. Não considero que o narrador seja o escritor. Há um autor implícito que transforma a narração fotográfica do protagonista em texto: “Procurei fotografias, encontrei imagens fossilizadas de um passado que ficou sem narrativa”.

 

Os capítulos são divididos em duas séries: uma é numerada e se passa na cidade natal do protagonista narrador, no interior do sul do Brasil, que no andamento do romance toma uma direção predominantemente retrospectiva, começando do retorno do narrador adulto à cidade até à infância do avô, embora por vezes os tempos se confundam e o cenário de infância do narrador se repita. A segunda série é prospectiva, de quantidade textual menor, e alterna sempre com a primeira na progressão do livro, dando a entender que assume uma posição intervalar. Ela conta a saída do narrador do Brasil para uma viagem a uma cidade na Itália em busca de informações sobre as origens do avô. Este imigrou da Itália com um pai adotivo, que é chamado, misteriosamente, de Gattopardo, em referência ao romance italiano do escritor Giuseppe Lampedusa publicado em 1958 (virando o filme do mesmo nome de Visconti, em 1963) cuja narrativa também tematiza a história de uma família centrada num patriarca.

 

Devido à estrutura peculiar do livro e da abordagem enviesada, que pretende menos explicar do que nos deliciar com experimentos textuais, não é fácil reconstituir o enredo. Durante toda a sua vida o avô sonhava ser filho de uma condessa rica e indagava, sem resposta, o pai, que assumiu funções políticas no Brasil. O avô chegou a fugir e formar sua própria família, sem se ver livre, contudo, das fantasmáticas questões de sua origem, motivo pelo qual o romance repete sua frase em itálico: não podemos enterrar os mortos. Depois de enviar solicitações de explicação para o orfanato que o acolheu na Itália, recebeu a carta de uma freira afirmando que sua mãe era rica, relacionou-se com um casanova que logo a abandonou, motivando desfazer-se do filho, entregar a pais adotivos e assumir a vida religiosa.

 

À medida que a primeira série de capítulos avança, acompanhamos uma variedade de nascimentos e mortes da família e, no meio do livro, encontramos o nascimento do narrador, que foi filho do filho do avô mas não da mesma mãe que os outros irmãos e com quem o pai era casado. Logo, o narrador é um filho ilegítimo como o avô, motivo pelo qual era protegido por ele. Foi por isso que, depois de sua morte, o narrador toma para si angústia do avô, procura resolver o enigma da família e viajar à cidade italiana chamada simplesmente com a consoante V., assim como a cidade natal do sul também é chamada de V. Essa é uma das várias armadilhas do romance, que é capaz de produzir frases plenas de sentido, mas que podem passar desapercebidas a um leitor distraído: “É a carta, osso e fratura, que me faz comprar uma passagem para V. sem saber se poderei sair de V. Se poderei voltar a V.” O avô e o narrador estão em busca de uma verdade trágica desconhecida, a situação do leitor no labirinto da narrativa não é diferente. A variedade de duplos está representada naquilo que o prefácio de Regina Zilberman demonstrou: a estrutura alternante dos capítulos e o seu encontro nas últimas páginas está genialmente simbolizada pela consoante V.

 

Essa estrutura bipartida efetua uma sensação de estarmos recolhendo pequenas informações, indícios, e prorrogando a verdade indefinidamente. Zilberman entrevê na dupla origem ilegítima a regência do mito de Édipo. Eu diria que, assim como em Freud Hamlet figura melhor o complexo psíquico do que o próprio mito grego, o romance está de fato mais marcado pelo adiamento hamletiano, motivo pelo qual o narrador prorroga atividades turísticas que considera artificiais na cidade italiana e deseja fugir do compromisso mesmo que se impôs: “E nada melhor para fugir do que buscar, assim como não há jeito melhor para buscar do que conhecer a própria fuga”.

 

No final, quando a verdade se permite ser desvelada, será possível ao leitor encarar o seu rosto e pronunciar o não dito do romance?

 

 

 

4 Comentários leave one →
  1. 21 de outubro de 2012 8:09 pm

    Marcia, gostaria de convidá-la para assistir a montagem de meu texto O INCRÍVEL DR.GREEN – As Botocudas, uma tragicomédia cirúrgica. Estamos em cartaz no Teatro União Cultural, que fica na Rua Mário Amaral, 209 no Paraíso, São Paulo, de sexta a domingo. Lá, discutimos a obsessão pela beleza, pela forma física, a magreza, o resultado milagroso e a estética.Venha assistir, depois gostaria de saber sua opinião. Um abraço, Gisela Marques.

  2. 22 de outubro de 2012 10:18 am

    Ótima e lisonjeira resenha, ainda mais vindo de um especialista. Mas, duvido que você faça conjecturas quanto à forma ou à formalização ao escrever, opinião de leitora apaixonada! Você tem o dom, escreve fácil, encanta, envolve, discorre em termos como um pintor o faria com tinta ou um compositor numa partitura. Então, opiniões como esta só confirmam que sua obra é! Quanto à última frase: ‘No final, quando a verdade se permite ser desvelada, será possível ao leitor encarar o seu rosto e pronunciar o não dito do romance?’, fecha com chave de ouro, pois, reitera o propósito de toda a sua obra, filosófica ou literária, responder com outra pergunta, fazer pensar! Obrigada ao professor Eduardo Losso.

    • 22 de outubro de 2012 12:28 pm

      Vc é muito generosa comigo. E é verdade, não penso, ou melhor, não julgo, quando escrevo literatura. Eduardo também foi generoso. Um abraço pra vc

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: