Skip to content

Ossos de Princesas de Beatriz Grimaldi

26 de novembro de 2012

Nesta quinta, dia 29/11, Beatriz Grimaldi lança seu livro de contos OSSOS DE PRINCESAS na Livraria da Vila da Lorena. Eis o que escrevi para a orelha, com muito prazer. 

E, abaixo, o convite, no qual aparece a capa com a obra do maravilhoso Walmor Correa.

Ossos de Princesas, livro de estréia em que Beatriz Grimaldi se mostra uma afinada contista, é obra cujas características apaixonarão seus leitores. Digo que se trata de paixão no que se dará a ler por que as histórias nada mornas aqui narradas, mas sanquíneas e incandescentes, provocarão amor e ódio aos personagens e seus atos. Ou raiva e compaixão aos fatos e ao destino, mas nunca aqueles afetos suaves que, entre inconsistência e indiferença, são típicos dos livros rasos protegidos das veredas reais da literatura. Um livro como este é de pegar e não largar porque a cada um é interdito abandonar o sangue que lhe inunda as veias.

É deste sangue que é feita a literatura. Assim com estes 19 contos marcados por duas habilidades narrativas: em primeiro lugar, a ação racional e direta que torna o texto agradável à leitura define o alto grau de objetividade das histórias. Em segundo lugar, no clima ardente do livro, sobressai a característica básica das personagens: são mulheres comuns, as mais ordinárias, as mais banais e cotidianas das criaturas cuja subjetividade trágica é magitralmente desnudada. Não é de espantar que um dia este livro vire peça de teatro e filme, devido ao arranjo encorpado entre o fato e seu ator, costurado com a estranheza inquietante das personagens que se mostram a nós tantas vezes como em virtude de espelho.

Todas as histórias deste livro são de um modo ou de outro surpreendentes tanto no que concerne ao conteúdo, quanto no que diz respeito ao desfecho. Não precisariam sê-lo porque lhes bastaria a beleza da reflexão, a construção dos cenários e das personagens. Bastaria tantas vezes a brutalidade do fato, mais do que a desenvoltura do ato. É inequívoca, no entanto, a força da narrativa no que ela vem revelar, como se tanto os veludos pesados do real quanto seus voais mais finos tivessem sido escrupulosamente retirados. Loucas ou solitárias, estupradas, suicidas ou assassinas trafegam como fantoches de projetos de vida inexistentes. Desde a perversa que mata a mãe até a psiquiatra que se apaixona por sua paciente louca, da menina abusada sexualmente à idosa que busca um registro geral de identidade, vemos o desfile de vidas expostas na fratura que delimita o sentido do qual, de um modo ou de outro, todos fazemos parte como presenças ou ausências ambulantes. Muitas vezes ao mesmo tempo.

Ossos de Princesas é a quintessência de alguma coisa real que não queremos ver. Certa face de Medusa para a qual a literatura é sempre escudo enquanto é, ao mesmo tempo, espelho. Como diante de uma fotografia que revela o abscôndito, convido os corajosos ao ato sempre metamorfico da leitura que se deverá elevar aqui à sua potência radical.

3 Comentários leave one →
  1. Beatriz Grimaldi permalink
    27 de novembro de 2012 6:40 am

    Marcia, todas nós, eu e as minhas personagens, agradecemos imensamente a beleza do seu texto.

Trackbacks

  1. Lista de livros – Feliz 2013 com bons livros « filosofia cinza
  2. Lista de livros – Feliz 2013 com bons livros! Por Márcia Tiburi. | MariaLDário's Blog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: