Skip to content

Sobre a Maternidade – entrevista

8 de dezembro de 2012

Respondi a entrevista abaixo para o blog http://manheabaixaosom.blogspot.com.br/ da Anelise Csapo. Compartilho aqui por crer que nos possa ajudar a pensar sobre sermos mães e sermos filhas…

Manifesto breve de um movimento sutil

MLM precisa continuar!

E foi com essa recente e necessária afirmação acima, que a filósofa, professora, escritora, mãe, feminista e livre pensadora (não necessariamente nessa ordem e muito menos categoricamente), Marcia Tiburi, criou o Movimento pela Libertação das Mães – Manifesto Breve de um Movimento Sutil – ao qual, o “manhê” destrincha numa entrevista de cair de queixo (e eu nem sei se essa expressão existe)!

Uma reflexão nada sutil partindo do ponto de vista da maternidade, onde nada é breve, efêmero ou superficial, mas insistimos socialmente em tratar a questão sempre em tons do nada bom e velho mais do mesmo!

Eu quero parar prá pensar mais! Você também vem nessa?

Então reflete que nem espelho:

Você dá as mãos à Elisabeth Badinter quando ela diz que a Maternidade é um mito?

Antes de mais nada, deixe-me comentar como é divertido o seu jeito de perguntar. Agora vamos à resposta à pergunta, em si mesma, libertadora. A maternidade é um mito? Sim, podemos dizer que em alguns aspectos, a maternidade é um mito. Mas o é, sobretudo, por ser uma peculiar condição política. Uma condição em que a figura denominada mãe ocupa um lugar especial em um contexto social. Só que este lugar guarda uma contradição, mais ainda, guarda um paradoxo. Aquele que implica que a maternidade é a política da dominação das mulheres por meio de seu culto. De um lado, temos o posicionamento da mãe como a “rainha” do lar. De outro, ela é uma espécie de escrava. As de antigamente, quando não eram ricas, deviam cuidar da casa e dos filhos, as de hoje tem tripla ou quádrupla jornada de trabalho. Sem falar no fato de que a mãe é sempre a culpada de tudo o que ocorre ao filho. Se um filho tiver sucesso na vida, dificilmente lembrarão da mãe. Se um filho cair no crime ou tiver qualquer outro tipo de problema, a culpa será da mãe. O que temos que nos perguntar é o que esta figura denominada mãe ganha aceitando a mística da “rainha” do lar? Penso que as mães são eleitas (e elas caem nisso tão facilmente) para um lugar que é de bode expiatório, sagradas e profanadas ao mesmo tempo. Tudo o que é sagrado pode ser sacrificado. É isso o que acontece com as mães. Elas caem facilmente nesta armadilha do lugar especial, quando na verdade, são as eleitas para um grande sacrifício. Vivem num limbo, num estranho estado de exceção, adoradas desde que façam tudo certinho, execradas desde que cometam qualquer tipo de “erro” em relação ao que se esperava delas, que não correspondam ao padrão, à regra, à verdadeira ordem que é a maternidade. A maternidade pode ser muito bacana, mas é muito mais fácil que seja para as mulheres uma tirania que não deixa para elas outras escolhas e possibilidades. Não desejo a maternidade para ninguém que não conheça suas armadilhas. E quase ninguém conhece essas armadilhas. Quem quiser ser mãe precisa começar combatendo o mito da maternidade.

O que poderemos pensar pelo esclarecimento e desconstrução da maternidade? 

Mostrar que, se a maternidade não é ditadura, ela tem que ser coletiva. Se olharmos para a maternidade como algo que está além da neurose, como algo prático, ela é necessariamente um trabalho de várias pessoas. E isso porque ela é uma condição de responsabilidade para com um outro. Ninguém cria um filho sozinho. Antigamente haviam amas de leite. Hoje quem pode pagar tem uma babá, um berçário, creche ou escolinha onde deixar o filho. Cuidar o tempo todo de uma criança pode ser um inferno para uma pessoa que não tenha muito desejo de fazer isso. Aliás, as pessoas chamam de “mãe desnaturada” aquela mulher que pariu um filho e não conseguiu desejar a maternidade. Como se a maternidade (na espécie humana) fosse simplesmente algo natural e não um dado da cultura. Verdade é que podemos falar de maternidade como uma condição subjetiva. Mãe seria aquela pessoa que teria a capacidade de cuidar de um outro. Acontece que o fato de ser mulher e de ter parido um bebê não é a condição para a maternidade se a penarmos nestes termos. Nem todo mundo consegue isso, nem todo mundo gosta disso. Este fato deve ser respeitado. As mulheres bem que poderiam se libertar desse peso. Parir um bebê é uma coisa, ser mãe de uma pessoa é outra. A meu ver, ninguém deveria sentir-se obrigada a ser mãe nem depois que a pessoa nascesse. Inclusive, digo isso pensando que você pode ser alguém legal com a pessoa que nasceu de você, sem precisar encaixar-se no estereótipo da boa mãe. Além disso, esse pensamento melhoraria a questão da adoção entre nós. Do mesmo modo, aquelas pessoas que perguntam “quando você terá um filho?” deveriam calar. Esta pergunta é performática, ela surge como uma cobrança e cria uma dívida. “Toma que o filho é teu” é algo que as mulheres deveriam dizer a qualquer um que as colocasse nessa situação em uma sociedade que mistifica a maternidade, pressiona as mulheres para que sejam mães e ao mesmo tempo proíbe o aborto.

Por que o peso pela criação e educação dos filhos recai tão diretamente sobre a mulher?

Como eu disse, porque as mulheres são eleitas para este papel da procriação que é um papel questionável do ponto de vista dos valores políticos. Você acha que as mulheres teriam tantos filhos se pudessem não ter? Muitas não teriam nenhum. É verdade que outras teriam por motivos muito próprios. Mas creio que estas seriam as que não tem que trabalhar, porque tem maridos muito ricos (elas ainda existem?) e que não tem problemas físicos com a gravidez e a amamentação e tudo o que vem depois. É certo que a sustentação da maternidade historicamente precisou de muito bombardeio ideológico da sociedade patriarcal, da qual as próprias mulheres fizeram parte. E, infelizmente, ainda fazem.

Como discutir, socialmente, o direito ao não desejo de maternar?

Isso também tem que ser desmistificado. Uma mulher quando pare pode descobrir que gosta do filho ou não gosta. As mulheres, na maior parte não se colocam esta questão porque elas mesmas introjetaram os discurso que as oprime. Uma mulher até pode vir a gostar do filho depois do parto, mas não quer dizer que tenha gostado de pari-lo ou que tenha se encantado com sua condição de bebê. Não podemos mais naturalizar isso. Naturalizar é mistificar. Pois a condição da mulher que pariu sofre muitas mediações. Ela descobre que a coisa de cuidar lhe interessa ou não, que ela tem condições ou não. Na verdade, o termo exato não é bem esse. Não se trata exatamente de descobrir isso ou aquilo, porque isso não vem à consciência. Muitas mulheres ficam se culpando porque não levam jeito para a maternidade. Ninguém leva, me desculpem, a não ser que comecemos a teorizar sobre mães heroínas, super mulheres e super mães. Isso não nos ajuda a desmistificar a questão. As mulheres que parem crianças precisam de ajuda, porque não é algo nada fácil em nossas vidas complexas. Quando há ajuda tudo é mais fácil. Além disso, gostaria de dizer que não há nada de anormal em ficar deprimida após o parto. Dizemos que isso é anormal por conta do padrão da maternidade defendido em nossa cultura. A maternidade não é tudo na vida, não é a realização do ser humano denominado “mulher”. Pode ser momentaneamente, pode ser durante um tempo, mas um filho não é em si mesmo o sentido da vida de uma mulher. Ele é uma grande responsabilidade, uma terrível e assustadora responsabilidade que precisa ser partilhada. Do contrário, não há porque tê-lo. A responsabilidade é tão grande que o patriarcado inventou o mito da maternidade para jogar isso tudo sobre a figura denominada mãe. E ela, como vítima culpada, ou seja, como otária, deveria aceitar. Agora, é claro que a sociedade, cínica em relação a este assunto, afirmará sempre que quem tem filho que trate de criá-lo. As coisas são assim, mas isso não quer dizer que sejam justas. Se houvesse justiça neste campo, as mulheres poderiam escolher com mais tranquilidade o aborto, não ter filhos, viver sem filhos.

Haveria alguma maneira de colocar o assunto em pauta e efetivamente pararmos de apontar o dedo prás mães que não querem ou não podem cumprir essa “função”?

Acho que a desmistificação do aborto é uma saída. Além da crescente manifestação de mulheres que não desejam ter filhos, mesmo quando casadas. Como já acontece em vários países e aqui no Brasil também.

Quantos anos tem a sua filha e qual é sua relação com ela? 

A minha filha tem 15 anos. Eu a tive aos 27 anos, num momento em que me deu uma vontade imensa de ter uma filha. Naquela época eu era muito, mas muito ingênua. Muito devotada a todas as causas auto-sacrificiais. Meu feminismo ainda não tinha acontecido. Vejo minha filha como uma pessoa linda, maravilhosa. Ela é, sem dúvida, pessoa que mais amo na vida. Sorte que a tive naquela época, pois hoje, depois de perceber muitas implicações da procriação, seria difícil fazer esta escolha. O que mais me atinge hoje em dia é o tamanho da responsabilidade. É a intensidade da responsabilidade. Naquela época eu tive ajuda de muita gente. Minhas irmãs, minha mãe, as pessoas que pude pagar. Como separei do pai dela muito cedo, ele quase não ajudou, como até hoje, praticamente não tem participação em suas questões de ordem subjetiva e prática. Para mim isso não é um problema. Ao contrário. Eu me sinto mãe de muita gente, no sentido de que tenho o gosto de proteger e ajudar várias pessoas. E acho que, neste sentido, a maternidade é boa, desde que ela não seja jogada e imposta às mulheres. E é neste sentido que ela pode também ser praticada pelos homens. Podemos ter filhos adotivos, diversos, vários. A maternidade, neste caso, é uma subjetividade de acolhida que não precisa ter relação com um corpo capaz de parir.

Você acredita que haja diferença em educar meninos e meninas? Em qual aspecto o gênero influencia na criação dos filhos? 

As pessoas fazem esta diferença. Educar está intimamente atrelado ao gênero, só que o gênero é histórico e, por isso mesmo, limitado. Basta você entrar numa loja de brinquedos e ver a divisão dos sexos. Deste modo, a educação que os pais dão aos filhos também é limitada. Eu, por exemplo, não educo minha filha para ser mulher. Nem para ser homem. Não gosto aliás, da ideologia do sexo binário e heterossexual. Educo a minha filha na convivência, com a mesma sinceridade que tenho com qualquer outra pessoa. Eu falo com ela como falaria com qualquer um e falo com qualquer um como se fosse meu filho, com a mesma sinceridade. Pelo menos é o que eu tento. Espero que minha filha seja sempre ela mesma como já é e sempre foi desde pequena. Ao mesmo tempo, lembro da minha educação. Nem minha mãe, meu pai e meus avós e parentes e professores, me educaram para assumir papéis ou agradar alguém. Não lembro de ter sido conduzida a isso ou aquilo. Eu nunca fui ensinada diretamente a ser mulher, mãe ou coisa parecida. Percebi o quanto minha mãe sofreu sendo mãe e esposa. Ela literalmente estragou a sua vida. E ela mesma acha isso. Podia ser diferente. Mas naquela época, naquela cidade, com aquela cultura… ela, como muitas mulheres neste Brasil, estava numa situação sem saída.

Como criar filhas feministas, conscientes e ruidosas?

Falando tudo. Sendo sincera. E, sobretudo, sendo livre para pensar, dizer e fazer. Penso que o que damos uns aos outros diariamente é a nossa coerência ou incoerência. Os filhos percebem e sofrem ou alegram-se com a liberdade de ser e pensar que podem também ter.

Qual sua maior dificuldade como mãe?

Nenhuma. Eu sou uma mãe no sentido bom, não sou culpada, sou solidária e responsável com a minha filha, os filhos dos outros, os que não tem pais, os que não tem filhos. Enfim, não vejo nada demais em ser mãe, nem para pior, nem para melhor. E acho que este modo que colocar a questão é bom pra todo mundo.

Tenho a impressão de que a maioria das mães quer falar de maternidade no âmbito funcional, sobre partos, amamentação, chupetas, o como fazer e o o quê fazer. Estamos na superfície das questões sobre um relacionamento (mães e filhos) que requer uma reflexão mais política (não num sentido partidário) e sociológica? Por que ficamos tão neuróticas procurando respostas sobre COMO AGIR ao invés de pensar na maternidade em si?

É que para a maior parte das mulheres o filho é um brinquedo e elas estão brincando de casinha. Um dia recebi uma visita em minha casa. A moça disse que queria engravidar porque estava querendo decorar um quarto de bebê e se preocupava com quem cuidaria dela quando fosse velha. Eu, sem querer ser grosseria perguntei a ela se ela tinha certeza de que seu filho cuidaria dela quando ela envelhecesse… hoje eu diria: quem garante que vamos envelhecer? Recomendo a todos que tratam os filhos como brinquedos ou coisas leiam o livro de Julio Cabrera: “Por que te amo não nascerás”. Um livro sobre a manipulação da procriação e a falta de ética com aqueles que vão nascer.

Sou mãe solteira e levanto a bandeira pela causa. Não consigo acreditar que minha filha TENHA QUE TER um modelo masculino em sua criação, necessariamente. Principalmente um modelo com o qual discordo pessoalmente em questões, inclusive, morais. O que eu gostaria de saber é qual a sua consideração sobre esse assunto de modelo masculino e feminino e também sobre a educação de crianças por casais homossexuais.

Eu acho que isso não é uma questão. Eu lembro de que antigamente as pessoas se referiam assim às mulheres, mas hoje? Depois de toda a libertação que vivemos? Quem ainda vai se referir a uma mulher como “mãe solteira”? Não falamos em “pais solteiros”. Nem em “mães divorciadas”. Acho que estas designações são frutos de preconceitos que recaem sobre mulheres. Mas se é sua bandeira tomara que seja como afirmação e não como falta de um pai que tornaria esta mãe não solteira. Como já falei a binariedade sexual bem como o paradigma da heterossexualidade estão cada vez mais ultrapassados. Não vejo como educar afirmando isso tudo. A única saída é a desconstrução desse paradigma.

Qual seu maior medo em relação à mulher e à maternidade?

Medo? Agora me pergunto, será que tenho um? Talvez, que as mulheres banquem o machismo que as oprime como o fazem em muitos casos. Medo em relação à maternidade? Que ela continue sendo uma armadilha.

Quais mães você destacaria como modelos de sua admiração?

Não tenho admiração, tenho mesmo é pena. Pena da minha mãe e das minhas avós que não puderam ser outra coisa na vida. A admiração só reforça a mística materna e o mito da maternidade.

O que perguntaria para sua mãe? E para sua filha?

Para minha mãe: por que vc não nos abandonou?
Para minha filha eu não perguntaria nada. Mas eu já pedi desculpas por tê-la colocado neste mundo. Ela, gentil, me respondeu” relaxa, mãe, eu to gostando”.

Como o homem pode (e até deve) participar da criação dos filhos?

Eu realmente acho que essa questão não tem outro sentido senão este: um homem pode ser uma mãe!!!

Por que temos tanto medo de errar?

Qualquer pessoa sensata e que não sofra de onipotência tem medo de errar. É um medo que não é de todo ruim…

Essa entrevista não teve qualquer edição à pedidos da entrevistada – o que fez todo sentido dentro de qualquer coerência possível e imaginável!

Sinceridade conta!

E durma com um barulho desses você também!

15 Comentários leave one →
  1. Mara permalink
    8 de dezembro de 2012 3:29 pm

    Muito intrigante e temos mesmo que pensar nesta função de ser mãe, o que vimos engolindo desde sempre sem questionamentos e quando há questionamentos e ideias contrárias ao de “super mãe”, somos tachadas de desnaturadas, etc….

  2. Márcia Barbosa permalink
    8 de dezembro de 2012 5:04 pm

    Adorei seus pensamentos acerca da maternidade!!!!

  3. Silmara Franco permalink
    8 de dezembro de 2012 5:08 pm

    Como eu já disse: a maternidade realiza consultas, exames e partos. Ponto final 🙂
    Isso de que ela realiza a mulher é lorota das boas.
    E veja: amo meus filhos. É que uma coisa não tem nada a ver com a outra.

  4. Tiburinho permalink
    8 de dezembro de 2012 6:18 pm

    A Prof não cansa de levar cultura para as pessoas. Queria ser poeta pra escrever uma coisa bem bonita pra ela.

  5. Tatiana Saturno permalink
    10 de dezembro de 2012 1:27 pm

    Teatro da vida, onde cada um tem seu papel…

  6. Diva Barbosa Nunes permalink
    11 de dezembro de 2012 6:41 am

    Digo: Cada um tem seu “tamanho” suas escolhas e tem que viver suas próprias experiências, cada caso é um caso diferenciado dos demais. Cada um deverá ocupar o cargo ou função de ser o seu próprio julgador.. A única coisa certa é: A natureza não brinca de faz de conta que eu faço. Ela simplesmente executa sua tarefa!

  7. danielle naves de oliveira permalink
    13 de dezembro de 2012 10:04 am

    Querida Marcia, enfim uma fala bela sobre o conflito da procriação e da maternidade.

    Procriar é uma coisa. Maternar é outra. Muitas feministas realizam a maternidade em varias formas. Mas poucas, pouquissimas, sentem-se à vontade com o fato de terem procriado. Trazer alguem ao mundo é trazer para a finitude, para a angustia, lançar na existencia. Aí, o problema nao é apenas para o feminismo, mas para o existencialismo. Ser responsavel e causador da finitude do outro. Há resposta para esse conflito?
    Por isso a ideia da adoção parece tão mais simpatica. Adotar envolve partilhar com o outro a propria condição, finita e lançada na existencia. Podemos, claro, adotar os filhos que saíram do nosso corpo. Mas essa é uma outra discussão.

    Exceto aquelas que sentiram uma vontade louca de parir, quantas sao a feministas que se veem confortaveis com o fato de procriarem ou terem procriado? Quando pedimos “desculpas” aos nossos filhos porque os trouxemos a este mundo, nao será também um sentimento de culpa?

    Neste caso, a responsabilidade nao é materna, mas humana, pelo Outro – mas um outro que só está aqui porque voce quis. Cruel.

  8. 16 de dezembro de 2012 2:19 pm

    Acredito que há coisas que não podemos mudar, a questão biológica da mulher, isso foi imposto pela natureza. Acredito que os papéis podem ser melhor distribuídos igualitariamente. O cuidado com um bebê, uma criança é braçal!, mas é quase impossível não amar, o ser humano gerado, e nem sempre o fácil é gratificante, o que o contrário quase sempre o é.

  9. 27 de dezembro de 2012 12:23 am

    Impecável entrevista da admirável Márcia Tiburi. Fico muito contente com isso.

  10. 11 de janeiro de 2013 7:15 pm

    Infelizmente o mito da maternidade foi introjetada não só no inconsciente feminino, mas tbém no masculino, só que estes, participando da procriação não assume o compartilhamento de suas responsabilidaes maternal, pque o mito que tbém recai sobre eles, é de que esse papel e unicamente delas, sendo ratificado por uma sociedade que ainda mantém o limbo do machismo. É terrível a confirmação de que a grande maioria das mulheres se enterram nessa armadilha mistica da maternidade. Acho admirável a concepçao de um ser, mas quando essa escolha vem imbuída de um sentimento consciente do que virá posteriomente, visto que a armadilha idelológica não explicita as neuroses que poderam ocorrer para as mulheres que se aventuram nessa odisséia, imaginado que a concepçao será uma experiência repleta de prazeres, alegrias, sucesso e reconhecimento, e sabemos que muitas vezes isto não se materializa, pque não é nenhum conto de fadas onde tudo é só felicidade, a educação de filhos pode ser frustante, significar fracasso, outrora vai culpar por tudo que não deu certo conforme os ditames da sociedade, aí aqueles parabéns e desejos de felicidades ofertados as mamães pelos parentes e amigos pela grandeza de conceber a vida, se converteterão em críticas pela incapacidade das mulheres não terem cumprido seu papel maternal, e haja resignação…

  11. Poliana permalink
    16 de junho de 2013 10:37 am

    a fala da Márcia foi na verdade uma organização de pensamentos que estavam em mim. Perfeito!

  12. 16 de dezembro de 2012 8:58 am

    A questão é que as pessoas “não querem parir”. Elas apenas “parem”sem pensar no que isso pode significar. Enfim, a entrevista expõe muitos aspectos. Atenciosamente, Marcia

Trackbacks

  1. o mito da maternidade — meus 2 cents |
  2. “Quero parir, mas não quero ser mãe. Como faço?” « Blog do FriedHardt
  3. Sobre a Maternidade – entrevista (via filosofia cinza) | Beto Bertagna a 24 quadros

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: